51 3093.2525

Mercado imobiliário adere às "vaquinhas" coletivas

Data: 07-04-2016

O sucesso das "vaquinhas" virtuais para viabilizar novos produtos e o surgimento de startups começa a atrair a atenção do mercado imobiliário. Nos Estados Unidos, na Europa e também no Brasil, empresas dedicadas a intermediar campanhas de financiamento coletivo oferecem desde participações em unidades residenciais até empreendimentos inteiros em troca de rendimentos que se aproximam de aplicações mais conservadoras, como a renda fixa. Principal mercado do mundo para o crowdfunding, como é chamado o financiamento coletivo, os Estados Unidos estimam que essa modalidade de investimento deve trazer US$ 3,5 bilhões para as incorporadoras em 2016, segundo projeções da Massolution, que atua no setor. No Brasil, apenas dois projeto foram lançados para o setor de imóveis, sendo que só um finalizado. Organizada pela startup gaúcho Urbe.me em 2015, uma campanha angariou por 90 dias R$ 1,28 milhão para um empreendimento em São Paulo. A outra, iniciada há 14 dias, busca R$ 2,4 milhões para um prédio residencial em Porto Alegre. "Esse dinheiro levantado via financiamento coletivo é só uma pequena parcela do que a incorporadora vai precisar. Mas vale a pena pela divulgação. Como a gente oferece um lucro de até 13% sobre o valor vendido, também não oferece risco para o empresário", conta Paulo Deitos, sócio da Urbe.me. O mínimo para investimento na plataforma é R$ 1 mil. Em operação desde o início da semana no País, a Bricksave, fundada no ano passado em Londres, atua no mesmo nicho, só que de forma diferente. Em vez de procurar o financiamento coletivo para iniciar um imóvel, busca unidades já prontas para depois abrir a campanha pela internet. "O investidor compra uma parte do imóvel, recebe o proporcional do aluguel e, em no máximo quatro anos, vendemos o imóvel garantindo um retorno de 20% sobre o valor inicial", conta a gerente de operações da empresa, Sofia Gancedo. O valor mínimo exigido pela Bricksave é de US$ 2,5 mil. "Compramos imóveis de luxo porque é um nicho mais protegido de ciclos econômicos", diz.

 

Fonte: Exame

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Governador sanciona texto que adequa exigências da Lei Kiss

22-09-2016
Legislação sobre a prevenção de incêndios recebe a terceira modificação desde que foi criada

Startup reinventa mercado de imóveis com Lego da vida real

07-06-2016

Cobrar o condomínio atrasado ficou mais rápido

15-04-2016
Novo código acelera o rito de cobrança

Caixa pode voltar a elevar juros do crédito imobiliário

12-04-2016
Embora não haja previsão de aumento neste momento, a elevação pode acontecer diante da maior pressão sobre as margens do banco

by IdeiaCom